Entrevista à Take-Off

Domingo, 15 de Janeiro de 2010

Coronel José Oliveira vai propor à autarquia um novo protocolo de cooperação, “com o intuito de conceder ao Aero Clube a gestão operacional do espaço”, o que não acontece desde 1996.

O Aero Clube de Coimbra (ACC) assinalou ontem o 34º. ano de vida com uma cerimónia onde participaram mais de trinta sócios e simpatizantes. O encontro ficou marcado pelo discurso do presidente José Oliveira, que reivindicou a gestão operacional do espaço, papel que actualmente pertence à Câmara Municipal de Coimbra (CMC). «É nossa intenção propor à CMC um novo protocolo de cooperação com o intuito de conceder ao ACC a gestão operacional do espaço, situação que não será inédita, já que tal protocolo vigorou entre ambas as partes até meados de 1996. Esta nossa pretensão tem a sua lógica no facto de facilmente se reconhecer que a CMC não tem vocação para este tipo de gestão», afirmou o coronel no discurso oficial. «Este novo protocolo permitirá ao ACC regular a utilização da infra-estrutura, definir regras e normas de utilização, à luz da legislação em vigor, terminando com muitos dos atropelos que actualmente são cometidos por a Câmara Municipal de Coimbra não ter vocação para este tipo de gestão», aprofundou José Oliveira em declarações ao Diário de Coimbra.

Segundo o responsável do Aero Clube, o novo documento permitiria ao ACC um novo crescimento, terminando em simultâneo com algumas injustiças do passado. «De há uns anos a esta parte muito pouco tem sido realizado pelos agentes responsáveis, nem tão pouco tem sido permitido ao Aero Clube usufruir dos direitos que lhe estão consignados em vários documentos de transferência de propriedade entre a Assembleia Distrital e a CMC, a actual gestora do espaço.

Queremos ver definitivamente concedidos os direitos que nos assistem e nos permitirão outra funcionalidade e operacionalidade», explicou o coronel. A utilização da pista do Aeródromo Municipal Bissaya Barreto para voos nocturnos «é um exemplo de um novo tipo de utilização possível».

Por outro lado «será mais fácil impedir que o aeródromo se torne numa presa fácil para a realização de outros eventos que nada têm a ver com a aeronáutica, como provas automobilísticas que contribuem tão só para denegrir a imagem de Coimbra perante a entidade reguladora, o INAC».

«Para além disso essas provas deterioram os vários pavimentos e atentam contra o espírito altruísta com que o Dr. Bissaya Barreto promoveu e patrocinou a construção do Campo de Aviação de Cernache para servir Coimbra», afirmou José Oliveira.

«Quiseram meter carros na pista de aviação, mas tenho a garantia da CMC que isso não vai acontecer mais nos próximos quatro anos», adiantou. Pista de aviação pode crescer 350 metros O Aero Clube de Coimbra vai continuar a lutar pela expansão da actual pista de aviação. Segundo os responsáveis, o espaço destinado à descolagem e aterragem dos aviões pode crescer em cerca de 350 metros, 300 para sul e 50 para norte.

«É uma das coisas que mais precisamos e queremos, pois permitirá outra utilização da pista. Para isto acontecer falta apenas o poder local decidir», contextualizou o responsável.

«Da autarquia espera-se que desbloqueie, facilite e autorize», acrescentou José Oliveira. As comemorações do 34.o aniversário do ACC incluíram a cerimónia de tomada de posse dos órgãos directivos recentemente eleitos, onde a maioria dos nomes transita do mandato anterior.

Jaime Soares é o presidente da Mesa da Assembleia-Geral e José Pereira de Carvalho o responsável máximo do Conselho Fiscal.

«Os nossos propósitos são de engrandecer cada vez mais a colectividade mas também de contribuir para que toda esta infra-estrutura conheça outra dinâmica e possa servir a comunidade local. Iremos dar continuidade à promoção de actividades aeronáuticas, como festivais aéreos e outras de recreio com elas relacionadas e que mobilizam a população em geral», projectou José Oliveira, reeleito presidente da direcção para o próximo triénio.

Para além de um almoço volante, a cerimónia de ontem contou anda com uma missa no hangar do ACC, onde o padre Carlos Pinho (freguesias de Antanhol e Cernache) deu a bênção às asas das aeronaves.

«Entregámos ainda os “brevets” e diplomas aos dois últimos pilotos formados no Aeroclube, Bruno Forte Lopes e Gonçalo Tomé», explicou o coronel.

A realização de voos de baptismos em balão de ar quente para crianças deficientes e carenciadas acabou por ser cancelada, devido às más condições climatéricas.

O Aero Clube de Coimbra, fundado a 14 de Janeiro de 1976, conta actualmente com 74 sócios.

Em 2009 as duas aeronaves que pertencem ao ACC realizaram mais de 300 horas de voo. Nacional de acrobacia aérea pode passar por Coimbra o programa de actividades para 2010 do Aero Clube de Coimbra contempla o eventual apoio ao campeonato nacional de acrobacia aérea.

«Estamos ainda a negociar, não é nada certo, mas naturalmente gostaríamos de participar e vamos tentar fazê-lo», explicou o presidente José Oliveira.

A organização da “Festa do Pilotaço”, o I Rally Aéreo do ACC, a organização do “Coimbra Airshow 2010” e uma visita ao “Museu do Ar da Força Aérea Portuguesa” são algumas das actividades que os responsáveis do Aero Clube de Coimbra vão realizar este ano. B.V.

“Aeródromo municipal pode transformar-se em regional” O presidente do Aero Clube de Coimbra defendeu ontem a ideia de que apostar no crescimento do Aeródromo Municipal Bissaya Barreto é contribuir para o desenvolvimento de Coimbra e de toda a região.

«Toda esta área do aeródromo municipal tem enormes potencialidades para contribuir para o tão propalado desenvolvimento de Coimbra e da região, seja em termos de servir a promoção turística, como os interesses económicos que pretendem por exemplo para o Coimbra iParque, entre outros», afirmou José Oliveira.

Para o coronel, na região Centro «não há a necessidade de recorrer a projectos de utilização de aeroportos em instalações militares que, para a dimensão do nosso país, serão novos elefantes brancos».

«Com um investimento bastante inferior, por exemplo, este aeródromo municipal poderá transformar-se num aeródromo regional e proporcionar um conjunto de mais-valias para a região, mercê da rede rodoviária que lhe está adjacente e outra que se preconiza para o interior do distrito e distritos limítrofes», explicou José Oliveira, incentivando o presidente da Câmara Municipal de Coimbra, Carlos Encarnação, a investir no espaço.

 

Clicar AQUI, para ver a Entrevista